URGÊNCIA E EMERGÊNCIA ODONTOLÓGICA
Unicef
Terra Querida
DESAPROVADAS

TRE-PI desaprova contas do PSDB e julga como não prestadas as contas do PCB

A sessão foi conduzida pelo vice-presidente do TRE-PI, desembargador Pedro de Alcântara da Silva Macêdo

31/10/2019 15h18
Por: Redação
Fonte: 100noticias.com.br
78

Em sessão realizada na manhã desta segunda-feira (28), o Tribunal Regional Eleitoral do Piauí (TRE-PI)), a unanimidade e em consonância com o parecer do Procurador Regional Eleitoral, Leonardo Carvalho Cavalcante de Oliveira desaprovou as contas do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), referente a campanha das eleições de 2018, Diretório Estadual do Piauí e julgou como não prestadas as contas do Partido Comunista Brasileiro (PCB), referentes ao exercício financeiro de 2017, Diretório Regional do Piauí.

A sessão foi conduzida pelo vice-presidente do TRE-PI, desembargador Pedro de Alcântara da Silva Macêdo e os relatores dos processos foram, respectivamente, os juízes: Thiago Mendes de Almeida Férrer (jurista) e Daniel Santos Rocha Sobral (juiz federal).

O tribunal resolveu, também, determinar a suspensão do repasse das cotas do Fundo Partidário do PSDB pelo prazo de um 1 mês bem como suspender o recebimento de eventuais cotas oriundas do Fundo Partidário do PCB até que a agremiação regularize sua situação junto à Justiça Eleitoral (art. 48, da Resolução TSE nº 23.546/2017).

A Coordenadoria de Controle Interno e Auditoria do TRE-PI (COCIN), em seu parecer conclusivo, opinou pela desaprovação das contas do PSDB em razão das seguintes irregularidades: Atraso no envio dos relatórios financeiros de campanha no prazo estabelecido pela legislação eleitoral, omissões relativas às despesas constantes na prestação de contas e aquelas presentes na base de dados da Justiça Eleitoral e a não destinação do valor mínimo do Fundo Partidário relativa à cota de gênero para as candidaturas femininas.

Quanto ao PCB, mesmo tendo sido notificado pela Justiça Eleitoral, o partido e seus responsáveis permaneceram omissos, quanto a obrigação de sanar as irregularidades e prestar contas referentes ao exercício financeiro de 2017.

Assim, o Tribunal entendeu que, em virtude dessas irregularidades encontradas nas prestações de contas de cada agremiação partidária não foi possível o efetivo controle das mesmas pela Justiça Eleitoral devendo ser aplicado em cada caso as sanções cabíveis.

Fonte: Serviço de Imprensa e Comunicação Social TRE-Pi

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.