Terra Querida
Unicef
EXONERADO

Comandante de Picos defende morte de bandido e acaba sendo exonerado do cargo

Fui exonerado, não por querer do comandante geral, mas por forças políticas", disse o militar

07/01/2020 14h40
Por: Redação
Fonte: 180graus.com
355

O comandante do 4º Batalhão de Polícia Militar de Picos, Coronel Edwaldo Viana, publicou na manhã desta terça-feira (07), em grupos do WhatsApp, um áudio de 7 minutos informando sobre sua exoneração do cargo pelo governador Wellington Dias. As informações são do Portal Cidades na Net.

De acordo com sua fala, seu afastamento se deu por questões políticas.

Há algum tempo o comandante tem mostrado sua pretensão em ser pré-candidato ao Palácio Coelho Rodrigues em Picos. Ele acredita que sua exoneração tem a ver com política.

“Foi uma surpresa para mim ter recebido a exoneração. De uma maneira que não gostei.

Eu fui exonerado de minha função. E fui exonerado, não por querer do comandante geral, mas por forças políticas. Foram até o governador fazer a minha cabeça porque eu me manifestei quando disse que ‘bandido, em confronto com a polícia, tem que descer as cordas’.

Isso causou polêmica e eu não sei o porquê, já que quando morrem pessoas nas filas de hospitais, não criam tanta polêmica.

A própria mídia não causa tanta polêmica. E essas minhas palavras foram levadas ao governador, que tenho certeza de que não tinha essa intenção, mas que foi induzido por essas pessoas políticas”, disse ele em trecho de seu áudio.

Ele declara ainda que está saindo de cabeça erguida, pois, mesmo não tendo deixado a criminalidade negativa na cidade, diminuiu o índice.

“Saio de cabeça erguida. Estou deixando Picos não como eu gostaria de deixar, porque não existe uma Picos como eu gostaria que fosse: zero em assaltos.

Estou deixando Picos, mas fica uma tropa maravilhosa […] com o menor índice de criminalidade.

Por dois anos consecutivos fomos escolhidos como o melhor Batalhão, o que mais apreendeu armas, drogas.

Estamos deixando uma cidade que passou dois anos sem morrer um cidadão”, afirmou.

O Coronel Edwaldo Viana relatou ainda que lhe ofereceram um novo cargo na capital, mas que não aceitou e que agora se sente livre para falar o que precisa ser falado.

“Foi oferecido para mim um grande comando na capital, mas não vou aceitar.

NÃO VOU ACEITAR EM LUGAR NENHUM

Eles fizeram isso para me silenciar, mas o tiro saiu pela culatra, pois agora estou livre para falar.

Vou tirar minha licença especial e minhas férias e não vou denegrir imagem de ninguém. […] Agora vou mostrar a realidade, estou livre para mostrar a realidade.

Não vou atacar ninguém. Sempre respeitarei, pois a autoridade é bíblica. Mas não sou obrigado a aceitar as atitudes que estão fazendo com a cidade de Picos. […] saio de cabeça erguida, porque falei a verdade”, disse.

A passagem de comando acontece na próxima sexta-feira (10), às 10h, no Batalhão de Polícia Militar de Picos.

O major Felipe, comandante do 20º BPM/PMPI, em Paulistana, será seu sucessor.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.